sexta-feira, 9 de dezembro de 2011

I SEMINÁRIO GPPGeR-UFES – Linhares – ES

Após uma conversa sobre os assuntos abordados no Seminário em Linhares entre Walesca Fisch, Clebes Iolanda e eu (Jaiane Loureiro), comentamos sobre o relato da palestrante Vanda de Souza, no qual ela falou sobre um fato ocorrido com uma mulher negra que havia sido perseguida pela manhã, as 05h00min, por 02 (dois) homens, quando chegou a uma guarita da polícia eles simplesmente a questionaram o que ela estaria fazendo na rua uma hora daquelas?"....resumo ela trabalhava em uma padaria e estava indo para o trabalho....e seu direito foi violado 2 vezes...
 

                 www.linhares.es.gov.br

Após discutirmos sobre alguns fatos ocorridos em nossa vivência, Clebes decidiu enviar a todos os amigos um e-mail sobre sua angustia referente a esta realidade que nos permeia, porque além de mulher, é uma militante no Combate a Violência a estas que tanto contribuem para a sociedade.

Eu fui uma das pessoas que recebi o e-mail e depois de autorizada por ela decidi partilhar com todos vocês!
Jaiane Loureiro da Silva
Aluna GPPGeR /UFES – Polo Aracruz.


Questionamentos

Nesse dia, me paro a pensar
E inevitavelmente alguns questionamentos vem a tona.
Ainda somos questionadas sobre o que fizemos,
Porque sofremos essa ou aquela violência
Qual nossa culpa nisso tudo?
Provoquei essa situação?
Pergunta instigante.
Minha resposta é:
Sim, provoquei!
Provoquei quando foi necessário sair de dentro de casa para complementar nossa renda familiar.
Provoquei quando te propus usarmos camisinha.
Provoquei quando continuei os estudos à noite,
Contrariando tua vontade de estar casa a disposição 24h
Mesmo quando já havia cumprido com todas as ditas obrigações de mãe e esposa.
Mesmo com tua ausência
Ausência não só física, pois essa poderia ser justificada pel o excesso de trabalho
Mesmo isso não sendo verdade.
A pior ausência é aquela presente
Ausência cômoda que te exclui do envolvimento com as questões domesticas e familiares.
Provoquei quando disse estar cansada pra ti
Cansada dessa vida que deixei acontecer como mera espectadora
Te provoquei a ponto de achares que resolveria tuas, minhas, nossas desavenças
Com palavras duras e finalmente
Pela coerção física.
Por fim,
Provoquei quando fiquei sozinha com nossos filhos.
E não desisti.
Se isso significa te provocar
Sim, te provoquei!
E assim continuarei enquanto não entenderes o que te falo.
Enquanto respirar.

Clebes Iolanda Leodice Alves Flores
Graduada em Enfermagem - Faculdade Pitagoras (Linhares).
Pós graduada em Enfermagem do Trabalho.
Atuou por anos no Centro de atendimento a mulheres vítimas de violência do Rio Grande do Sul.

2 comentários:

  1. Iteressante e criativo!

    ResponderExcluir
  2. Realmente muito interessante. As meninas prestaram atenção mesmo nos debates do seminário!

    Anderson Pissinate Poltronieri
    Aluno GPPGeR/UFES - Polo Aracruz

    ResponderExcluir